Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

O Camões é que sabe viver...mesmo já tendo quinado...

11.04.11publicado por Gato Pardo

Lisboa, menina e moça, nada mais é do que aquilo que as pessoas fazem dela.

Momentos que ficam para sempre, fotos a preto e branco mentais, abraços que nunca se perdem no tempo...

Lisboa tem locais que possuem nuances dignas de um jardim parisiense, um café em Amesterdão e um concerto dos System of a Down...Sim, refiro-me ao Largo do Camões...

Não existirá possivelmente em Lisboa local que admire e odeie tanto ao mesmo tempo...Odeio, simplesmente porque sim...Se o Nobre pode ser candidato pelo PSD, também me pode dar na telha para ter ódios de estimação...Admiro, porque o local consegue englobar tudo aquilo que admiro no ser humano...Álcool (ou aquilo não estivesse ao lado do Bairro Alto), um cheiro deveras intenso a erva (e não é açafrão, eu perguntei...), pessoal a rir à parva (possivelmente devido a uma combinação dos dois itens acima mencionados), uma esplanada que me fez recordar bons tempos em Paris, carradas de tatuagens de variadas cores e feitios e...eu!

Ok, para além de tudo o que mencionei, também lá existe o La Brasserie de L`Entrecôte (sim, já lá meti os pés e recomendo a todos que vão lá comer...Mas só uma vez, que o estrago financeiro é significativo...) e o Olivier mais abaixo (não, nunca meti os pés no Olivier...Passei 3 anos a trabalhar só para cobrir o estrago no La Brasserie...)...

De volta ao Largo do Camões...Por norma, há uma coisa que se destaca lá, que é a dita estátua...e o pessoal estendido à sombra da mesma e que vai rodando conforme a posição do sol. Hoje foram duas...Era a estátua e eu...A estátua, porque continuava a proporcionar sombra ao pessoal que lá estava...Eu, porque por muito que procurasse uma sombra, os bancos estavam ocupados, as cadeiras da esplanada também e porque era o único tipo louco o suficiente para estar ali de fato e gravata a torrar ao sol feito torresmo...

Os bancos estavam ocupados ora por velhotes que discutiam animadamente as mais recentes ocorrências futebolísticas ao ponto de quase andarem à pêra por causa disso ou por casais de namorados, eles com a cabeça deitada no colo delas e elas a lerem um livro qualquer...Fez-me lembrar por breves instantes o fim do filme Notting Hill...As cadeiras da esplanada estavam mais requisitadas do que as meninas do Red Light District...Muita malta tatuada (e que belas tatuagens...Acordou novamente aquele desejo de fazer finalmente a maldita tatuagem...Cheira-me que é este ano...), onda muito vintage, retro, emo, eu sei lá...A melhor forma que consigo descrever o que vi é uma espécie de brunch (tudo ao molho e fé em deus...)!

E claro, o pessoal à sombra da estátua...Aqui, apenas um pequeno reparo a uma pequena que se juntou ao grupo de amigos...Piquena, hã...Sabes, a Gillette também tem lãminas adequadas ao sexo feminino...Ter mais pêlos nas pernas que o Tony Ramos não é necessariamente motivo de orgulho para uma mulher...Digo eu...

E para terminar em beleza, fui alvo de um inquérito sobre o metropolitano de Lisboa, isto apesar de ter afirmado desde o primeiro momento que não era utilizador assíduo do mesmo...Parece que isso é opcional...

O Largo do Camões é um mundo à parte...Uma espécie de universo paralelo que consegue englobar coisas tão distintas como destinos gastronómicos para o Anthony Bourdain, pinturas do Francisco Goya, o vosso dealer de canabbis preferido, cerveja fresca, chá quente e a observar tudo, um dos nossos poetas mais ilustres...

Love it!